Projeto Bolsa de Estudos de Aikido

Fala galera!!!

Gosto bastante de um discurso onde Arnold Schwarzenegger  lista algumas regras para o sucesso, não sei se você já viu, mas se ainda não, clica aqui e assiste… na minha opinião, é bem bacana!

As regras são:

1) Acredite em si mesmo.

2) Quebre algumas regras (neste ponto ele é bem enfático, não viole as leis, mas quebre algumas regras – bem diferente do que muitos pensam).

3) Não tenha medo de falhar.

4) Ignore as pessoas que dizem que isso ou aquilo não pode ser feito.

5) Trabalhe, esforce-se o máximo que puder.

6) Quando tiver sucesso, dê algo em retorno.

Essas regras básicas podem guiar qualquer empreitada sua. Leia novamente, coloque-as em prática, mal não vai fazer! =)

Quando chegamos aqui no Espírito Santo, nossa escola começou com o apoio da nossa matriz em Campinas e da escola de judô que nos acolheu em seu tatame, a Hikari, a qual somos profundamente agradecidos.  Acreditamos em nosso trabalho; quebramos regras; se erramos foi acreditando que estávamos fazendo o certo, mas em nenhum momento tivemos medo de falhar e até hoje não temos; ignoramos muitos que nos disseram que algo seria impossível aqui no Espírito Santo e lutamos contra isso abertamente até hoje; nos esforçamos ao máximo, nosso instrutor principalmente, poucos sabem o que ele sacrificou para estarmos aqui; ainda não temos muito sucesso (risos), mas somos uma referência de Aikido no Espírito Santo e acreditamos que chegou a hora de dar algo mais em retorno.

Nosso projeto tem como objetivo oferecer, inicialmente, três bolsas de estudos de Aikido na Escola Senshin Dojo – Espírito Santo, sediada na Associação Hikari de Esportes, Cultura e Lazer, na rua São Paulo, 21 – Praia da Costa – Vila Velha/ES. A bolsa destina-se a qualquer interessado que não possa arcar com a contribuição financeira mensal para manutenção do dojo, mas coloca-se à disposição para ajudar a escola de formas a saber:

1) Sua principal e mais importante responsabilidade será o estudo positivo, comprometido e dedicado do Aikido.
2) O aluno bolsista deverá estar presente em todos os treinos, sendo aceita sua ausência somente em caso de doenças infecto contagiosas.
3) Se o aluno bolsista deixar de avisar o motivo do seu não comparecimento a 2 treinos, será automaticamente excluído do programa de bolsas e não poderá mais frequentar a escola na condição de bolsista.
3) Os alunos bolsistas ficarão responsáveis pela limpeza do tatame antes e após cada treino.
4) Os alunos bolsistas ficarão responsáveis por ajudar na manutenção geral do dojo quando solicitados (isso envolve pinturas, reparos em geral, etc).
5) Os alunos bolsistas ficarão responsáveis por diversas tarefas na ocasião de eventos de Aikido na escola.

A bolsa terá validade de 1 ano. Se o bolsista desistir, o próximo interessado será contatado, vamos manter uma lista de espera.

Interessado e disposto!?!?

Preencha o formulário que entraremos em contato. Se houverem mais de três interessados, a seleção será por meio de sorteio em um dos dias de treino, qualquer candidato que não comparecer no dia do sorteio estará automaticamente excluído do mesmo.

Vamos aceitar inscrições para o programa de bolsas até o final do mês de outubro.

Mais informações: cadu.aiki@gmail.com

E qual a diferença entre você e eu!?

Fala galera…
Vou deixar uma opinião minha aqui. Ninguém da Associação da qual faço parte foi consultado ou comunicado antes que eu escrevesse, então, sou o único responsável pelo texto abaixo.
Este é um assunto delicado, que muitos preferem deixar quieto, varrê-lo para debaixo do tapete e fingir que isso não existe… Mas acordem!
DIFERENCIAÇÃO EXISTE SIM, EM TODO LUGAR! E PASMEM, ATÉ MESMO NOS TATAMES!
Mas por que o tatame seria um lugar diferente, né!? Afinal, é lá que prometemos ensinar valores que contribuem para a construção de um caráter melhor; é lá que defendemos o ensino de respeito ao próximo e de altruísmo. Mas somos o que fazemos, e o tatame é construído e mantido diariamente, por pessoas… Então, até no tatame, vamos encontrar situações onde a diferenciação existe e será proposta (ou imposta), para que você venha a digerir este amargo fato: “as pessoas em sua maioria, não se misturam”.
E amigos, uma coisa que aprendi - se você estiver com a maioria, reflita!
Essa diferenciação pode ser feita de uma forma natural, por opção mesmo, sem agredir qualquer envolvido. Como por exemplo, num seminário de Aikido. Você escolhe um grupo de treino no tatame por afinidade, seja ela de capacidades físicas, de capacidades intelectuais e comunicativas, da ausência de uma ou outra, mas esta aproximação acontece de forma sadia, digamos que por uma seleção natural.
Mas existe outra forma de diferenciar, e que vem sendo praticada constantemente aqui no Brasil, e desde que cheguei no Espírito Santo observo essa prática. Um evento é organizado por determinada Associação, sendo este aberto a todos aikidokas, mas para quem é associado o valor é “Y”, e para quem não é o valor é “Y x 3”. Recentemente observei um que era gratuito a associados, e “Y” para não associados.
Há pouco tempo um instrutor que conheço levantou essa bola. E concordo de cabo a rabo com a opinião dele – isso se trata de posicionamento, o qual respeito e discordo totalmente.
Somos todos iguais, sangramos igual no tatame, nosso suor é produzido pelas mesmas vias fisiológicas, somos bípedes mamíferos, e alguns são pensantes… rsrs
Lamento profundamente que sejamos diferenciados de qualquer forma e sejamos desencorajados ou impedidos de compartilhar experiências no tatame por fatores financeiros. Anseio pelo dia em que essa diferenciação não mais exista e que cada pessoa possa ser bem recebida em qualquer escola de artes marciais, independente de sua filiação à determinada Associação. Tudo isso só depende do posicionamento de quem lidera a maioria, e como não sou um deles, só me resta externar este descontentamento para apontar a possível melhora.
Abraço galera… bons treinos a todos!

Seu verdadeiro inimigo…

Fala galera!

Nas minhas leituras constantes parece que tudo me leva a estudar e a meditar sobre uma só coisa: conhecer e controlar a si mesmo.

Há poucos dias vi uma imagem com um monge em frente a um espelho… na imagem havia uma legenda: O reflexo é seu único inimigo.

Agora há pouco, vi um vídeo compartilhado por um grande amigo, Marcelo Sensei, do Aikido Shuhari Dojo. Neste vídeo, um dos ícones cinematográficos da década de 80, Mestre Yoda, reconhece e enfrenta o seu próprio lado sombrio (se você tiver curiosidade e quiser ver o vídeo: clique aqui.) Yoda Sensei é, até hoje, uma inspiração para muitos praticantes de artes marciais. Seu comportamento impecável e atitudes exemplares, fazem deste ícone um verdadeiro exemplo a ser estudado.

No vídeo, Yoda Sensei vê-se confrontado pelo seu lado sombrio, que após tantos anos de guerra, também é alimentado, talvez por dúvidas, mágoas, cansaço, etc. Claro que Yoda Sensei não se esforçaria para alimentar este comportamento, mas inevitavelmente, um pouco de sua energia é despendida para esta parte de seu eu, afinal, todos temos um pouco de maldade dentro de nós.

Quando optamos por enfrentar este lado com suas próprias armas, a violência psicológica e o embate físico descontrolado, o resultado pode não ser o esperado, suas incertezas, mágoas, desesperos, vão tomar conta da sua mente e consumir seu espírito. Reconhecer e conhecer nosso lado sombrio é a primeira atitude para mantê-lo sob controle, pois assim ele não terá rédeas sob as nossas atitudes. É assim que Yoda Sensei vence o embate, abraçando e trazendo para dentro de si este lado, mas consciente de seu total controle sob o mesmo a todo tempo de tentação.

Quem não se vê tentado por dúvidas, mágoas, stress… e deixa seu lado sombrio tomar conta do seu eu!?!?

Como eu disse no começo, tudo que leio atualmente me leva a estudar isso… parece brincadeira (risos), mas não é! Ontem, lendo um texto sobre fotografia, me deparei com a seguinte frase:

When unpleasant thoughts persistently clouded my mind or disturbing emotions drained away my vital strength, I felt compelled sometimes to grab my camera and roam the streets or wander about in some natural setting. Invariably my unpleasant mood would soon yield to a lightheartedness and a sense of being grounded. It was as though the constriction of being trapped in an enclosed, fragile self had been transcended by a sudden opening into the surrounding world.

Traduzindo: Quando pensamentos desagradáveis persistentemente atrapalham minha mente ou emoções perturbadoras drenam a minha força vital, as vezes me sinto compelido a apanhar a minha câmera e percorrer as ruas ou vagar pela natureza. Invariavelmente, este clima desagradável daria lugar a uma leveza. Era como se o sentimento de estar preso em um espaço fechado, essa fragilidade interior, tivesse transcendido por uma súbita abertura para o mundo ao redor.

A analogia de combater o lado sombrio com o que há de bom dentro de nós, mas sem ignorar a existência deste, está em várias leituras para mim.

Sim, eu tenho um lado sombrio. E não, ele não tem controle sobre mim (não com muita frequência, afinal, ainda sou inexperiente e tenho um bocado para aprender… assumo minhas fraquezas) rs.

E você, que lado tem alimentado ultimamente!?

Bons treinos galera! Nos vemos no tatame!

“Não se alcança a iluminação sem passar pelas próprias sombras, pela própria escuridão, e o sábio conhece o seu lado sombrio”. Deepak Sankara Veda.

Boa sorte amigo…

É… realmente a vida é cheia de idas e vindas. As vezes mais idas! rsrs

Depois que meu filho nasceu choro com muita facilidade, então vou escrever para não chorar dizendo pessoalmente… rs

Quando eu e minha esposa chegamos ao Espírito Santo começamos a estudar o Aikido sozinhos. Muitas vezes estivemos só eu e ela no tatame, muitas vezes ela não podia ir e eu ia sozinho, até que apareceu nosso primeiro aluno, o Léo – isso há 5 anos atrás.

Seguindo o curso tradicional de qualquer relacionamento baseado em dedicação e confiança mútuas, Léo se tornou mais que um aluno, se tornou amigo. Já saímos juntos, já o levei em sua casa, ele já veio a minha, já almoçamos juntos, jantamos juntos, já conheci sua namorada-esposa, o escutei quando foi necessário, puxei a orelha quando foi preciso, incentivei, ensinei, e muito mais que tudo isso… aprendi! Sim… aprendi!

Conheço poucas pessoas tão determinadas. Léo é um exemplo de perseverança, e hoje, quando preciso fazer algo que sei que não vai poder ser concluído logo ou no tempo que eu desejaria, lembro dele, e sei que devo perseverar pois se eu quiser vou atingir meu objetivo.

Léo dentro de poucos dias vai se mudar, vai deixar o Espírito Santo para viver e trabalhar em outro estado, e nesta nova caminhada, só posso lhe desejar sucesso e boa sorte. Sei que você tem o que é necessário para vencer em qualquer lugar, então, vá em paz e seja muito feliz. Não vamos nos ver com tanta frequência, mas lembre-se que o Senshin – Espírito Santo, é sua casa, e você será sempre muito bem vindo aqui.

Obrigado pelas lições e pelos exemplos no dojo. Abraço amigo… nos vemos nos tatames por aí!

CAF_9306

Filosofia de treino e de vida…

DSC_0045Eu não falo muito durante o treino…

Sou da opinião que, como instrutor, tenho que ter consciência de que não sei absolutamente nada e que as artes marciais mudam constantemente. Para acompanhar esse fluxo, o silêncio da mente é algo importante para estar no tatame e estar atento às mudanças instantâneas que acontecem conosco, com a intenção dos nossos parceiros, com o ambiente… Praticar uma arte marcial é muito mais complexo que mexer pés e mãos.

Aqui no Espírito Santo estamos um pouco “ilhados” literalmente. É preciso ralar um bocado para se manter ativo e aprendendo. Sempre que posso participo de seminários nacionais e internacionais, e isso cuida da parte física (não como eu gostaria, mas cuida… =D )… Aí vocês me perguntam  - mas e a filosofia da arte Cadu, como posso estudar isso se você não fala nos treinos!?!?

Bom… há várias fontes, a maioria sendo livros da cultura oriental. Se você conseguir proximidade com algum sensei capacitado, melhor ainda… essa cultura pode vir através da convivência. Não é o meu caso! =/

Eu estudo fotografia, e por isso, assisto um bocado de filmes… e claro que minha paixão pelas artes marciais me faz escolher alguns títulos repulsivos aos olhos dos críticos do cinema e também da fotografia, mas paciência, adoro filmes de artes marciais e lutas, mesmo que o contexto seja horrível… #prontofalei

Há alguns dias vi um filme onde um mestre dizia algumas frases bem marcantes para o aluno.

“It’s not about anger – it’s about peace. It’s not about power – it’s about grace. It’s not about knowing your enemy – it’s about knowing yourself.”

Traduzindo literalmente e incluindo minhas reflexões para a prática do Aikido.

Praticar o Aikido não deve ser motivado por raiva ou desavenças, não deve ser para solucionar um problema de agressão ou bullying, mas sim para procurar soluções inteligentes e pacíficas para nossos problemas internos, para aprender a controlar nosso maior inimigo – nós mesmos.

Praticar o Aikido não deve ser sobre ter poder sobre os demais. Segundo Lao Tzu dominar outros é uma demonstração de força, dominar a si mesmo é demonstração de poder. A prática deve ser assertiva e bem intencionada, seus movimentos devem ser polidos e graciosos, evitar o uso da força bruta e atingir este nível de controle/poder, deve ser, na minha opinião, um dos objetivos de quem pratica uma arte marcial.

Praticar o Aikido não deve ser somente sobre antecipar movimentos e estudar seu agressor. Conhecer o seu inimigo pode garantir uma boa vantagem num combate, mas se você não conhece a si mesmo, não sabe se poderá fazer o que é necessário para derrotá-lo. Segundo Sun Tzu, a suprema arte na guerra é derrotar seu inimigo sem lutar.

“Conhece a ti mesmo.” Sócrates.

Bons estudos galera!

E lembre-se, nada do que eu digo ou escrevo é verdade absoluta… é somente minha opinião e por eu trilho meu caminho!

 

 

O que é Aikido para você!?

Parece uma pergunta simples, mas depois de tantos anos praticando, ainda não encontrei minha definição…

A única coisa que sei é que o tatame é minha casa… meu porto seguro.

Uma das definições que mais gostei de ouvir foi – “Sensei o que é Aikido? Não sei, mas venha comigo ao tatame que posso lhe mostrar!” =)  Outra foi deixada por um dos alunos do Senshin Dojo há poucos dias em nossa página no facebook. Abaixo transcrevo a definição para que você também possa refletir sobre o que é o Aikido pra você.

Boa reflexão!

Aikido: alguns chamam de arte da paz, outros dizem, dando um tom mais místico, que é a arte da energia vital… para mim, este modo de fazer Aikido que tenho treinado com o pessoal do Senshin Dojo poderia ser chamado de “a vigorosa suavidade”. Tudo é feito sem muita força, sem golpes duros claros, mas é extremamente perigosa, enérgica e agressiva. Treino faz apenas três anos e por hora é assim que consigo descrever este Aikido: vigorosa suavidade. Fernando Yonezawa.

 

Nage: Fernando Yonezawa (à direita), Uke: Victor Barlez (à esquerda).

Nage: Fernando Yonezawa (à direita), Uke: Victor Barlez (à esquerda).

Você pratica Aikido?

Você pratica Aikido!?

Fala galera…

Se alguém te parasse hoje e visse você usando uma camiseta onde se lê “Aikido” em caixa alta, negrito, numa cor gritante e bem destacada, e perguntasse – Você treina Aikido? – por mais obvio que possa parecer, tenho certeza que você responderia – Sim, pratico! – mas aí eu te pergunto – você realmente pratica Aikido?

O termo prática é, por definição, ensaiar um comportamento várias vezes, ou se engajar numa atividade repetidas vezes, com o propósito de melhorá-la ou dominá-la de forma maestral. Como o ditado diz – “A prática leva à perfeição.”

Equipes esportivas e atletas praticam para competir em provas, desempenhando o ato praticado, e para vencerem, é necessário muita prática. Tocar um instrumento musical de forma emocionante requer muita prática. Ou seja, a prática, é um método de aprender e adquirir experiência em uma atividade, certo!?

Sim… certo.

Mas gostei bastante da visão de um professor de Aikido, com o qual tive a oportunidade de treinar há pouco tempo. A prática não leva à perfeição, a prática leva a um hábito, e se este hábito for débil, você nunca vai chegar à perfeição.

Isso faz muito sentido, não faz!?

Pensando dessa forma, criar um bom hábito em sua prática, requer boa instrução e frequência… não vamos entrar aqui no mérito da boa instrução, mas sim no da frequência. Quantas horas por semana você assiste TV!? Quantas horas por semana você desenvolve outras atividades!? Quantas horas por semana você dorme!? Quantas horas por semana você pratica Aikido!?

Você pratica Aikido?

Defesa Pessoal x Artes Marciais

Vamos lá!

Sempre reluto em falar do assunto, pois como outros tantos, nossa sociedade atual tende a banalizar certos aspectos de um conceito.

Então, vamos levantar uma questão: “Você sabe o que é Defesa Pessoal!?”

Pronto, garanto que na cabeça de várias pessoas já surgiram imagens do Bruce Lee, do Van Damme, do Jet Li, Jackie Chan, e claro, Steven Seagal. Mas será que isso, essa imagem que você resgatou em seu repertório, é realmente defesa pessoal!? Vamos tentar esclarecer e ampliar um pouco este conceito, e desmistificar o que vocês viram nos anos gloriosos destes atores dos filmes de ação.

Segundo o Wikipedia defesa pessoal é:

“… uma contra medida que envolve defender alguém, uma propriedade, o bem estar de outro contra algum perigo. O uso do direito da defesa pessoal como justificativa legal para o uso de força em situações de perigo, é permitida em muitas jurisdições, mas as interpretações variam grandemente.”

Daí podemos entender que defesa pessoal, não trata-se somente de técnicas mirabolantes COREOGRAFADAS nos filmes de ação. Defesa pessoal é algo muito maior, e muito mais complexo, portanto, deve ser tratada com muita responsabilidade.

Muitos instrutores de artes marciais levantam a bandeira da defesa pessoal entre os benefícios oferecidos pelo estudo de sua modalidade. E eu te pergunto!? – “Pode isso produção!?”

Claro que pode… pagando bem, que mal tem!?

Mas eles te avisam que você só vai usufruir desse benefício, do modo que você imaginou, depois de pelo menos 10 anos de muita dedicação em treinos, e provavelmente, depois de muitas lesões!? Nããooooo!?!? Pois é!

Há semanas atrás vi um vídeo de Aikido, cujo título original é “Aikido – Street Story” produzido pela Video Jinak (http://www.videojinak.cz/). O ator principal é um praticante de Aikido, Tomáš Kontakt, 3º Dan, aluno de Tissier Shihan. Ele é responsável pelo Usagi Dojo em Praga, República Tcheca. Confere aqui o site do dojo dele: http://www.usagi-dojo.cz/

Não demorou muito pra baixarem o vídeo por aqui e publicarem novamente com o nome “Aikido – Defesa Pessoal Urbana”, e usarem como ferramenta de marketing. Mas, seria isso mesmo a intenção do autor!? Aqui está o vídeo com seu nome original, assiste aí…

http://www.youtube.com/watch?v=ZVDV_4xDh4o

Bem bacana, né!? Mas, vocês viram também o “behind the scenes”!?!? Nãooooooo!?!? Vou facilitar para vocês… clica aí.

http://www.youtube.com/watch?v=fedBJBIsYmE

Eu queria ter falado sobre esse vídeo assim que ele saiu, mas estava escolhendo as palavras certas. Encontrar o planejamento dele, o behind the scenes, me deu esse ponto de vista, pois o trabalho compartilhado pelos autores é bacana, e quero deixar isso bem claro aqui.

O que vale lembrar é que, por trás daquilo, houve uma preparação, e tudo foi COREOGRAFADO. Numa situação real, provavelmente, as coisas não seriam daquela forma. Não estou dizendo que o resultado seria diferente, mas também não descarto essa possibilidade. Segundo estudo realizado na Universidade de Lawrence, por Madden, Margeret E., alguns relatos podem sugerir que matricular-se num curso de defesa pessoal pode melhorar sua percepção de controle e reduzir sentimentos de vulnerabilidade, e este conteúdo é sempre desenvolvido em aulas de artes marciais. Para avaliar os efeitos desta prática sobre a percepção de controle e vulnerabilidade, 142 pessoas (destas 59 praticantes de artes marciais), selecionadas randomicamente em 10 universidades, responderam a um questionário. Pasmem, os praticantes de artes marciais obtiveram resultados inferiores em controle e superiores em vulnerabilidade. Ou seja, matricular-se num curso de defesa pessoal/artes marciais pode não te ajudar a se controlar ou a sentir-se menos vulnerável numa situação de stress, pelo menos, não nos primeiros anos de prática, segundo este estudo.

Lembra do que eu disse lá em cima!? 10 anos amigo… 10 anos, no mínimo!

Pratico Aikido há mais de 15 anos, e sempre penso em evitar conflitos de forma inteligente – sem conflito. Aikido, defesa pessoal e artes marciais, são mais do que o cinema mostra. Como praticante desta modalidade, sinto-me na obrigação de levantar este ponto, para que leigos também possam refletir sobre essas cenas, sem comprar idéias diferentes das originais.

Ps.: assista o primeiro vídeo até o final, depois dos créditos também… o outro resultado possível também é retratado lá, por isso o autor do vídeo foi responsável!

Valeu galera!